Quebec não pode decidir se a província precisa de migrantes

Quebec não pode decidir se a província precisa de migrantes

Mesmo que aprendam francês, e se não o falarem entre si?

Em 1 de junho, a Lei de Respeito Francês foi aprovada pela Rainha. No mesmo dia, houve um escândalo durante um debate na Assembléia Nacional Québec. O Primeiro Ministro de Quebec, François Legault, disse que as pessoas que falam uma língua diferente do francês em casa são uma ameaça e que valeria a pena monitorar e medir melhor o uso do francês na sociedade.

Ele disse que menos de 60% dos quebequenses falam francês no trabalho, apesar das leis que o mandam. Antes disso, Legault disse que exigiria poderes adicionais de imigração do governo federal para convidar mais francófonos para Quebec sob o programa de reunificação da família.

Os liberais acreditam que os defensores da língua francesa estão indo longe demais, incitando o público a temer a perda de identidade e semeando a discórdia entre francófonos e falantes de outras línguas. Os Quebecers já estão desconfiados de falar outros idiomas além do francês no trabalho, já que uma nova lei incentiva a apresentação de queixas à polícia linguística.

Dificuldades com a aplicação da nova lei

Os prestadores de serviços municipais agora não estão autorizados a prestar serviços de aconselhamento em inglês a menos que a pessoa chamada seja um novo imigrante ou um graduado de uma escola de inglês no Canadá. Mas como você pode saber por telefone? Como você pode saber quando uma pessoa visita um escritório do governo?

Os participantes de uma recente conferência de organizações a serviço dos imigrantes chamaram a atenção para outras nuances da aplicação da lei. A autorização de seis meses para receber serviços públicos em um idioma diferente do francês se aplica a trabalhadores estrangeiros temporários ou apenas a novos residentes permanentes? E as pessoas que aguardam uma decisão sobre seu status imigratório?

O que devem fazer os municípios de Quebec, na sua maioria canadenses de língua inglesa? E o que os funcionários públicos devem fazer se as pessoas se recusarem a falar francês?

Até agora, há mais perguntas do que respostas. Uma porta-voz da ministra francesa disse aos repórteres que a nova lei só será posta em prática daqui a um ano.

Durante os próximos seis meses, a província criará um novo ministério francês que desenvolverá uma política linguística provincial para todas as organizações. Estas organizações terão então três meses para desenvolver e apresentar seus próprios planos de implementação da política ao ministério. O ministério tem mais três meses para rever, revisar e aprovar esses planos.

Fonte
  • #Quebec
  • #francês no Quebec
  • #vida no Quebec
  • #imigração para o Quebec
  • #francês no Canadá
  • #falantes de francês no Canadá
  • #advocacia francesa no Quebec
  • #províncias de língua francesa no Canadá