Fadiga pandêmica

Fadiga pandêmica

Os canadenses estão frustrados com a pandemia persistente, têm problemas de saúde mental e não querem mais ser vacinados.

A COVID-19 mudou radicalmente a vida cotidiana dos canadenses. Muitos revamparam sua visão da vida e ganharam respeito por seu país. No entanto, nem tudo é cor-de-rosa: o Instituto Angus Reid realizou uma pesquisa na primeira metade de 2022 que encontrou a população canadense frustrada e cansada da pandemia persistente. Um em cada três canadenses relatou sofrer de problemas de saúde mental.

35% dos pesquisados afirmaram ver constantes manifestações de depressão e ansiedade em seu círculo social, e a grande maioria acredita que as restrições pandêmicas pioraram significativamente a situação e tornaram a recuperação mais difícil. As mesmas tendências também são observadas entre aqueles que têm vícios e alcoolismo entre seus entes queridos.

O surgimento da linhagem Omicron infligiu um sério golpe à saúde mental dos canadenses, talvez mais do que o surto da doença em 2020. Sua propagação não só coincidiu com a época festiva, fazendo com que muitos repensassem seus planos, como também ampliou o tempo da pandemia, fazendo muitos se perguntarem quando o fim chegará. Metade dos canadenses não acredita que 2022 será o último ano do épico da cobiça.

Uso da substância

Enquanto isso, os médicos estão soando o alarme: à medida que a pandemia se arrastava, o uso de substâncias aumentava. Novos dados de Statistics Canada mostram que durante a pandemia da COVID-19, as mortes por overdose e mortes relacionadas ao álcool entre canadenses com menos de 65 anos aumentaram significativamente devido ao bloqueio prolongado e isolamento.

Uma nova pesquisa da Mental Health Research Canada (MHRC), em julho, mostra que as coisas estão melhorando. Os níveis de ansiedade entre os entrevistados caíram 21% em geral e a depressão está ligeiramente abaixo.

O MHRC é otimista: "Este é um sinal positivo de melhoria da saúde mental para os canadenses, mas ainda temos meios de alcançar (e, espera-se, superar) os níveis pré-pandêmicos.

No entanto, aqueles que anteriormente relatavam ter tido altos níveis de ansiedade e episódios depressivos começaram a experimentar sintomas com mais freqüência. As estatísticas atribuem isto a uma relutância ou incapacidade de buscar ajuda profissional: apenas um em cada dez canadenses procurou apoio psicológico no ano passado.

A situação com o álcool continua difícil: 5% dos canadenses mostram sinais de dependência do álcool, e um em cada dez deles relata que não pode parar de beber se começou pelo menos uma vez por mês.

O impacto da covida sobre as crianças

Um relatório recente da LifeWorks fez soar o alarme: diz que 56% dos pais notam uma deterioração na saúde mental e no desenvolvimento de seus filhos. Relata que 27% dos pais vêem seus filhos se preocupando com o futuro, 24% notaram um declínio no desenvolvimento social e 23% dizem que o desempenho acadêmico está se deteriorando.

Além disso, verificou-se que os níveis de ansiedade entre as crianças de 15 anos ou mais eram superiores à média nacional para todas as faixas etárias, e as crianças de 10 a 14 anos experimentaram os piores efeitos da pandemia em sua saúde mental.

Stephen Liptrap, presidente e CEO da LifeWorks, acredita que é necessário prestar muita atenção ao problema da infância, que inevitavelmente afeta uma grande proporção da população adulta:

"A saúde mental das crianças foi severamente afetada por circunstâncias imprevistas e pelo isolamento na esteira da pandemia. Não surpreendentemente, o impacto resultante sobre os pais e as famílias é severo".

Vacinação

Tudo isso não poderia deixar de afetar o engajamento dos residentes com as notícias do aumento da incidência da doença. O Instituto Angus Reid informa que o apoio público às medidas relacionadas à COVID-19 está diminuindo no Quebec e em outras partes do Canadá. Dr. Christopher Labos, um cardiologista de Montreal, formado em epidemiologia, diz

"Eu acho que as pessoas estão cansadas, as pessoas estão frustradas.

Dr Labos explicou que é difícil para as populações se adaptarem às medidas de saúde a longo prazo, como o uso periódico de máscaras em áreas lotadas, pois geralmente leva tempo para se acostumar às novas regras e precauções sociais.

Ele comparou as restrições pandêmicas a não fumar dentro de casa, usando cinto de segurança em um carro e usando capacete ao andar de bicicleta — algo que "leva anos de esforço sustentado" para ser implementado.

Quando se trata de vacinação, tem havido um declínio constante no interesse público. Em Quebec, por exemplo, em 17 de agosto, apenas 56% dos residentes com 5 anos ou mais haviam recebido a terceira dose da vacina, um número que mal mudou em vários meses. O governo diz que a baixa taxa de revacinação é porque milhões de Quebecers já tiveram a nova tensão e se consideram suficientemente protegidos. No entanto, os especialistas acreditam que o problema é mais um cansaço geral com o problema e uma promoção insuficiente do reforço entre a população.

Jason Harley, professor assistente de cirurgia na Universidade McGill, acredita que os canadenses mudaram sua atitude em relação ao perigo e deixaram de ouvir conselhos de saúde pública:

"Muito disso tem a ver com a exaustão da pandemia. Já se passaram mais de dois anos de pessoas vivendo com níveis incríveis de ansiedade, lidando com isso dia após dia, às vezes hora após hora, por isso é normal e reflexivo que as pessoas estejam procurando maneiras de se sentir melhor".

A anunciada vacinação de crianças menores de 5 anos também não foi recebida de forma inequívoca, ao contrário das previsões. A Universidade de Alberta realizou um estudo e descobriu que quanto mais jovens as crianças, menos provável era que os pais canadenses quisessem vaciná-las contra a COVID-19. Shannon MacDonald, professora associada de enfermagem na Universidade do Alasca, confirma esta descoberta: os canadenses estão mais dispostos a se vacinar do que a vacinar seus filhos. Os pais que não pretendem imunizar seus filhos ou estão indecisos relatam preocupações sobre a segurança da vacina, a velocidade de seu desenvolvimento e o fato de que a droga é nova.

As autoridades canadenses continuam a insistir na revacinação da população, assegurando que não têm planos de retornar a restrições rígidas. O surto de varíola macaco também levanta questões: até agora as imunizações têm sido voluntárias e entre as populações especificadas, mas ninguém pode dar previsões precisas sobre a propagação da doença. Uma coisa é certa: os especialistas canadenses em saúde mental recomendam escutar a si mesmo, cuidar de sua psique e não hesitar em buscar ajuda profissional.

Fonte, Fonte, Fonte, Fonte, Fonte
  • #COVID19
  • #pandemia no Canadá
  • #restrições pandêmicas no Canadá
  • #vacinação no Canadá
  • #incidência da COVID19 no Canadá
  • #vida no Canadá
  • #saúde mental no Canadá
  • #apoio à saúde mental no Canadá
  • #psiquiatras no Canadá
  • #efeitos da covida no Canadá
  • #canadenses sobre a pandemia
  • #sistema de saúde no Canadá