Os canadenses querem permanecer sob o domínio britânico?

Os canadenses querem permanecer sob o domínio britânico?

"A monarquia é obsoleta e não tem nada a ver com nosso governo. Acho que é hora de ficarmos por nossa conta".

A Grã-Bretanha colonizou o Canadá a partir do final dos anos 1500, e o país permaneceu formalmente parte do Império Britânico até 1982. Agora é membro da Comunidade dos Antigos Países Imperiais, onde o monarca britânico é chefe de estado.

O Instituto Angus Reid realizou uma pesquisa que mostrou que 51% dos canadenses não querem que a monarquia permaneça como sua cabeça de cerimônia (6% a mais do que em janeiro de 2020). Apenas 26% dos entrevistados disseram que era necessário, enquanto 24% estavam inseguros. Um número crescente de canadenses não quer que um monarca estrangeiro os represente, apesar dos profundos laços históricos com o Reino Unido e do afeto pela Rainha.

Alguns representantes de grandes empresas no Canadá se manifestaram sobre o assunto, confirmando os resultados das pesquisas. Flavio Volpe, presidente da Associação Canadense de Peças Automotivas, se pergunta por que o Canadá é o único país do G7 cujo chefe de Estado é cidadão de outro país e, referindo-se a uma pequena cidade no sul do país, acrescenta:

"Eu preferiria ter alguém de Windsor como chefe de estado do que alguém da Casa de Windsor".

Membros da geração mais antiga apóiam a idéia de auto-suficiência. John Nielsen, 61 anos, um empreiteiro de Ottawa, diz

"A monarquia é obsoleta e não tem nada a ver com nosso governo. Acho que é hora de ficarmos por nossa conta".

Monarchy

Em Quebec, a morte da rainha provocou uma enxurrada de perguntas sobre o futuro da monarquia no Canadá, destacando mais uma vez a complicada relação da província com a monarquia.

Gérard Bouchard, historiador e sociólogo que leciona na Universidade de Quebec em Chicoutimi, diz que a maioria dos quebequenses não gosta da monarquia por razões históricas, assim como seu apoio à democracia. Em uma entrevista recente, ele explica:

"Em Quebec, parece ser uma relíquia de uma era colonial que pensávamos ter desaparecido. A maioria das pessoas diria: 'Não sabemos por que continua no Canadá e não sabemos por que nos foi imposta no Quebec'.

Enquanto os residentes da província podem respeitar a falecida rainha como pessoa, a monarquia evoca memórias da conquista britânica da Nova França e do domínio colonial britânico sobre o Canadá francófono.

Bouchard diz que a idéia de um monarca europeu como chefe de estado também vai contra as idéias de democracia dos Quebecers, acrescentando que a oposição à monarquia é mais forte entre federalistas e falantes de inglês no Quebec do que em outras partes do Canadá.

Queen

A ocasião do debate foi a decisão do Premier Legault de baixar a bandeira da província sobre a morte de Elizabeth II. O líder do partido Quebec Paul Saint-Pierre Plamondon a criticou, enfatizando a difícil história das relações com a Grã-Bretanha: a monarquia foi imposta ao povo Quebec pela conquista, disse ele, e a bandeira da província, conhecida como Fleurdelise, representa a democracia da província e o direito dos Quebecers de existir como povo. Ele mencionou que a deportação dos acadêmicos, a execução dos líderes da Revolta Patriótica em 1839 e, mais recentemente, a repatriação da constituição sem o consentimento do Québec, foram feitas em nome da Coroa Britânica e falou de forma bastante dura sobre a monarquia:

"Não podemos perder de vista o fato de que ela representava uma instituição, a Coroa Britânica, que tem causado danos significativos aos Quebecers e aos povos indígenas".

Benoît Pelletier, professor de direito constitucional na Universidade de Ottawa e ex-membro do governo liberal de Jean Charest no Quebec, acredita que o Canadá anglófono está seguindo inexoravelmente o Quebec e o apoio à monarquia está diminuindo ano a ano. Ele é franco sobre a possibilidade de um referendo eventualmente ocorrer e é apenas uma questão de tempo:

"Penso que haverá um debate nos próximos meses sobre o futuro da monarquia constitucional".

Pelletier disse que é possível mudar a constituição do Canadá para abolir a monarquia, desde que as negociações não se concentrem em nenhuma outra questão constitucional. No entanto, ele apóia pessoalmente a monarquia, acreditando que no momento o sistema democrático está funcionando bem e não vale a pena quebrar o que foi construído ao longo dos anos.

As pesquisas mostram que os Quebecers discordam dele: 71% em uma pesquisa de Angus Reid disseram não ver mais a necessidade de uma monarquia, e 87% disseram não ter nenhum vínculo com a família real na pesquisa do Leger.

Queen
 

No lado Primeira Nações, as coisas também são complicadas: enquanto muitos lamentam a morte da rainha Isabel, alguns povos indígenas expressaram ambivalência ou hostilidade em relação à monarquia que colonizou a América do Norte. Alguns deles não eram tímidos em suas expressões. Chance Papanekis, um residente do território no norte de Manitoba, vê a rainha como parte de uma instituição sinistra que perpetua o dano aos povos indígenas. Ao saber de sua morte, Paupanekis pensou na longa vida que a monarquia de 96 anos viveu, "ao contrário de muitas pessoas que ela prejudicava".

"... [a Rainha] e seus predecessores são responsáveis por um aspecto enorme do genocídio dos povos indígenas ao redor do mundo".

Os povos indígenas têm um relacionamento com a Grã-Bretanha que remonta ao seu primeiro contato com os europeus. Ao assinar tratados, a Coroa e as Primeiras Nações estabeleceram termos de coexistência pacífica entre as duas sociedades soberanas no compartilhamento da terra. Papanekis admite que isso aconteceu muito antes da rainha Isabel se tornar monarca, mas isso não muda sua atitude em relação à monarquia como um todo:

"A agenda colonial permanente dos colonos continuará, independentemente do monarca que estiver no poder".

Percebendo que o processo de deixar a monarquia não pode ser uma questão de alguns meses, Papanekis espera que o rei Carlos III inicie o processo de reparações não apenas aos povos indígenas, mas a todas as pessoas do mundo que sofreram influência britânica.

Niigaan Sinclair, professor de Estudos Indígenas na Universidade de Manitoba e chefe de departamento interino, explica por que o diálogo com a Grã-Bretanha é tão importante: os povos indígenas "compartilham um relacionamento com a Coroa, não com o governo canadense".

Os tratados foram feitos uma vez entre os líderes indígenas e a Coroa, não o governo de então, o que efetivamente significa que sem uma segunda parte, todas as terras canadenses iriam para a propriedade das Primeiras Nações.

Ele reconhece o mal feito, inclusive durante o reinado de 70 anos da Rainha Isabel. Políticas coloniais repressivas mancharam a história canadense durante séculos, mais recentemente com o sistema de escolas residenciais, a esterilização forçada de mulheres indígenas e a remoção forçada dos inuítes para o norte — tudo durante o reinado da Rainha.

Belinda Vandenbroek freqüenta um colégio interno em Dauphin, Maine, há 10 anos. No ano passado, no Dia do Canadá, ela se baseou na Legislatura de Manitoba para fazer um discurso em resposta à descoberta do que se acredita ser sepulturas não marcadas nas dependências de um internato. Naquele dia, as estátuas da Rainha Isabel e da Rainha Vitória na base da Assembléia Legislativa foram derrubadas em resposta à descoberta. Como sobrevivente do internato, ela se pergunta por que a Rainha Elizabeth não interveio quando crianças como ela foram retiradas de suas famílias.

Testemunhas dos terríveis acontecimentos que ocorreram dentro das paredes das escolas continuam a ser encontrados até hoje. O último deles não fechou até 1997, e as memórias das testemunhas ainda são tão dolorosas que mesmo as excusas do Papa não tiveram nenhum efeito.

Em maio, Charles e sua esposa Camilla visitaram Yellowknife e o assentamento Detta Dene na última etapa de sua viagem canadense para marcar o Jubileu da Rainha Platina. A visita deles se concentrou na reconciliação e na mudança climática. Durante a visita, a Assembléia dos Povos Indígenas e o Conselho Nacional do Métis exigiram um pedido de desculpas da monarquia. Em um discurso antes de deixar Yellowknife, Charles disse que queria conhecer os sobreviventes do colégio interno e reconheceu sua dor e sofrimento — mas não pediu desculpas. Portanto, para as Primeiras Nações, o papel que ele assumiria como Carlos III no prisma de interagir com elas não é óbvio.

Para Sinclair, entretanto, outros desenvolvimentos são mais importantes, como a nomeação histórica de Mary Simon, uma Inuk que no ano passado se tornou a primeira governadora-geral indígena do Canadá. Ele acredita que tais precedentes mostram o interesse da Grã-Bretanha em manter o relacionamento e trabalhar nele:

"Ainda há esperança de que a Coroa venha a desenvolver esta relação".

A Chefe Nacional Rose Ann Archibald da Assembléia dos Povos Indígenas diz que seu próximo passo com a Grã-Bretanha é que a Coroa adote a Proclamação Real de Reconciliação, parte de um chamado à ação da Comissão de Verdade e Reconciliação. Ela exorta os envolvidos a não esquecer a necessidade de seguir em frente:

"Como muitos lamentam o fim da era Elizabetana, lembremo-nos de que a dor e a responsabilidade podem existir no mesmo espaço e ao mesmo tempo".

Perguntada se a conversa reemergente sobre a retirada britânica e o impacto das mudanças constitucionais nos tratados a alarmou, ela respondeu inequivocamente que as Primeiras Nações sempre manterão uma relação com a Coroa, independentemente do que o Canadá fizer, e acrescentou:

Fonte, Fonte, Fonte, Fonte, Fonte
  • #Rainha Elizabeth
  • #morte de Elizabeth the Second
  • #Charles the Third
  • #Commonwealth de antigos países imperiais
  • #monarcas britânicos
  • #Canadá - Grã-Bretanha
  • #internatos no Canadá
  • #Primeiras Nações do Canadá
  • #Povos Indígenas do Canadá
  • #história canadense