Mídia canadense: como eles trabalham e o que escrevem sobre a Rússia e a Ucrânia

Mídia canadense: como eles trabalham e o que escrevem sobre a Rússia e a Ucrânia

Que tipo de histórias sobre o país deles podemos esperar dos jornalistas canadenses? Podemos acreditar neles? Descubra em nosso artigo.

Cada meio é marcado pelo notório caráter nacional do país em que existe — seja a intemperança francesa, a austeridade inglesa, a condescendência americana ou a benevolência canadense.

Além disso, qualquer mídia é moldada pelas notícias que acontecem ao seu redor — portanto, um jornal japonês nocional presta mais atenção à probabilidade de um tsunami do que uma hipotética estação de rádio suíça. E é por isso que há tantas histórias sobre animais na mídia canadense — o fato é que na verdade há muitas delas acontecendo no Canadá.

Então quais são as especificidades da mídia canadense — além das histórias sobre castores que ficam presos em uma cerca e guaxinins invadindo a casa de alguém?

Mídia canadense

De acordo com um estudo de 2008 realizado por Abby Goodrum e Elizabeth Godot da Universidade de Ryerson (Toronto), que analisou noticiários de duas emissoras de televisão canadenses (CBC pública e CTV privada), os cinco países mais citados foram os cinco mais citados:

  • EUA;
  • REINO UNIDO;
  • Israel;
  • Afeganistão;
  • Iraque.

Enquanto isso, os EUA representaram 44,6% das transmissões de TV, enquanto o Reino Unido seguiu com apenas 8,3%.Mídia canadense

Portanto, a conclusão é simples: as notícias canadenses consistem principalmente de histórias locais e notícias dos Estados Unidos vizinhos, com pouca atenção dada ao resto do mundo. A propósito, a abundância dos Estados Unidos na agenda de notícias há muito tempo tem sido uma fonte de preocupação tanto para os canadenses quanto para as autoridades. Algumas publicações até introduziram "cotas canadenses" exigindo que os jornalistas diluam os eventos americanos com notícias locais.

Além disso, existe um problema particular associado ao grande número de imigrantes no Canadá — o fato é que eles não recebem informações sobre os países de onde são provenientes e cujo destino é importante para eles. Por exemplo, o Canadá tem uma enorme diáspora chinesa, e a presença da China (e dos países asiáticos em geral) na cobertura jornalística é mínima (cerca de 2,45%). Isto causa um descontentamento generalizado na sociedade multicultural canadense. Até certo ponto, porém, este problema tem sido resolvido através da mídia multicultural — e desde o final dos anos 80, quando o governo decidiu apoiar a mídia nos idiomas nativos de numerosas diásporas.

No entanto, estudiosos analisando as atitudes dos canadenses em relação à mídia na era da Internet observaram um declínio constante na confiança dos canadenses na mídia doméstica.

De acordo com um estudo do professor da Universidade McGill Mark Raboy, a confiança dos canadenses em qualquer tipo de mídia é inferior a 50%:

  • Rádio — 50%;
  • Internet — 47%;
  • Jornais — 43%;
  • Televisão — 42%;
  • Revistas — 33%;
  • Mídias sociais — 13-14%.

O que eles escrevem sobre a Rússia e a Ucrânia

Pelo que foi dito, é claro que o Canadá presta muito pouca atenção aos países da CEI.

A Ucrânia, devido a sua relação especial com o Canadá, aparece de tempos em tempos na imprensa. No ano passado, foi, naturalmente, relacionado ao abate de um avião aéreo ucraniano pelas autoridades iranianas em 8 de janeiro de 2020, com 138 canadenses a bordo. A Ucrânia e o Canadá estiveram estreitamente envolvidos durante a investigação inicial das circunstâncias da tragédia, e a cobertura da mídia do processo focalizou muita atenção nas ações do lado ucraniano.

Antes da tragédia de 8 de janeiro, a Ucrânia foi destaque na imprensa canadense em conexão com a cooperação militar entre os dois países — em particular, o fornecimento de armas canadenses para o território da Ucrânia. Além disso, no verão de 2019, o Canadá alocou US$ 45 milhões para a Ucrânia, bem como se reuniu com o novo presidente. A visita de três dias do presidente ucraniano Zelenskyy foi amplamente divulgada na imprensa canadense.Mídia canadense

"Zelensky veio a Toronto em parte para apaziguar aqueles que duvidavam da capacidade do ator que interpretou o Presidente na série de TV para fazer o trabalho na vida real", escreveu o National Post na época.

Durante a visita, Zelenskyy e Trudeau anunciaram sua intenção de assinar um acordo de intercâmbio de jovens entre os dois países, o que simplificaria o procedimento para a obtenção de um visto para trabalhar ou estudar por até 1 ano. Desde então, a propósito, houve progresso: os países criaram um grupo de trabalho sobre a imigração de ucranianos para o Canadá.

Além da facilitação de vistos, os chefes da Ucrânia e do Canadá discutiram questões relacionadas aos territórios das autoproclamadas repúblicas do povo Donetsk e Luhansk. Em particular, foi declarado que o Canadá não permitiria a entrada no país de viajantes com passaportes emitidos em Donbas e na Região de Luhansk.

Quanto à Rússia, como alguns imigrantes escrevem, as anotações são bem baixas e curtas, consistindo principalmente de fatos e um mínimo de avaliação. A menos que algo muito importante aconteça — como a história de Alexei Navalny, quando a mídia canadense publicou pela primeira vez as notícias sobre o envenenamento, depois os comícios e finalmente as chamadas para libertar o oposicionista.

Ocasionalmente, a Rússia ainda aparece na imprensa canadense por causa de escândalos de espionagem. Por exemplo, em 2015, dois jovens irmãos canadenses de ascendência russa foram privados de sua cidadania canadense porque seus pais se revelaram espiões que se apropriaram das identidades de canadenses mortos. Em março de 2020, uma nova história de espionagem apareceu nas notícias: desta vez, a esposa russa de um ex-funcionário público canadense foi destituída de sua cidadania por sua associação com a FSB nos anos 90.

Em geral, o Canadá não sente nenhuma emoção em relação à Rússia. Pelo menos, não o fez até o final dos anos 2010. E esta atitude da mídia reflete a atitude dos canadenses comuns em relação à Rússia e à Ucrânia. Na maioria das vezes eles sabem pouco sobre esses países, portanto, não podem formar nenhuma opinião particular sobre os eventos ali ocorridos.

Entretanto, a Rússia aparece frequentemente nas notícias em conexão com uma atividade extremamente importante para os canadenses. O hóquei é o orgulho do Canadá e o seu lugar doloroso. Qualquer final, jogos de sopro e outros eventos dramáticos na vida do hóquei são levados muito pessoalmente aqui. Portanto, qualquer partida contra a seleção russa é comentada muito emocionalmente, mas não sem respeito pela habilidade dos jogadores.

A mídia canadense também não esquece a relação especial do presidente russo com o hóquei, o que aparentemente gera alguma simpatia.

"Putin comemorou seu 63º aniversário com seu bang habitual por seu dólar. O presidente russo jogou em um jogo de hockey amador ao lado de lendas como Vyacheslav Fetisov e Pavel Bure, marcando pessoalmente sete gols", escreveu a mídia canadense em 2015.

Outro tópico que aparece periodicamente na imprensa canadense é o Ártico. Como sabemos, além do Canadá, o Conselho Ártico inclui a Rússia, Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega, Suécia e os Estados Unidos. Portanto, de tempos em tempos, quando as potências do norte decidem dividir o Ártico mais uma vez, a Rússia aparece no noticiário canadense.Mídia canadense

É claro que as crescentes tensões em torno da Rússia nos últimos anos, causadas pela guerra na Ucrânia e outros eventos, não puderam deixar de se refletir nas reportagens da mídia canadense.

Em particular, a explosão de 2019 em um local de testes militares perto de Severodvinsk deu à maioria da mídia canadense a oportunidade de comentar não apenas sobre o estado do complexo industrial militar russo, mas também sobre a política russa em geral durante a última década.

Assim, um dos maiores jornais do Canadá, The Globe and Mail, compartilhou seus receios de que as ambições do líder russo, combinadas com o arsenal de mísseis envelhecidos do país (incluindo armas nucleares), pudessem ter conseqüências desagradáveis para o mundo, seja sob o atual presidente ou após sua saída.

Além disso, o incidente no local do teste foi colocado pelo jornalista no mesmo nível do acidente de Chernobyl de 1986. Outros meios de comunicação canadenses expressaram preocupações similares sobre os processos políticos em andamento na Rússia.

Em resumo, devemos dizer que a imprensa canadense não sente nenhum amor ou ódio especial em relação aos países da CEI, assim como sente em relação à maioria dos outros países. Além dos Estados Unidos, mas estas relações merecem um grande artigo à parte.

  • #Mídia canadense
  • #mídia canadense
  • #mídia no Canadá
  • #relações Canadá-Rússia
  • #relações Canadá-Ucrânia
  • #mídia estrangeira sobre a Rússia
  • #mídia estrangeira sobre a Ucrânia
  • #notícias canadenses