O que acontece com aqueles que recusam as vacinas?

O que acontece com aqueles que recusam as vacinas?

Um "passaporte covid" preservará sua privacidade? O debate em torno destas questões já vem sendo travado há algum tempo.

medida que o número de canadenses d devidamente vacinados aumenta constantemente e o próprio país retorna gradualmente à vida "pré-pandêmica", um tópico importante está sendo levantado cada vez mais na sociedade canadense: e aquelas pessoas que, por qualquer razão, não foram vacinadas? Além disso, não está nada claro como encontrar um equilíbrio entre saúde pública e liberdade individual, e se a primeira deve ser abandonada para proteger a segunda.

Encontrar respostas para estas questões mais urgentes de nosso tempo está se tornando cada vez mais importante à medida que as medidas de quarentena são relaxadas.

Por que eu preciso de um passaporte de vacinação?

Este é um documento que está se tornando cada vez mais importante para a maioria das instituições e agências do país. Se o titular do passaporte de vacinação puder provar sua imunização com ele, então ele também poderá desfrutar specified public freedoms.

Por outro lado, e as pessoas que não poderão fornecer tais provas porque não podem ou não querem ser vacinadas? Isso significa que não poderão viajar de avião, inscrever-se nas agências necessárias, inscrever-se nas universidades...? E esta não é, de forma alguma, uma lista completa de inconvenientes que estão por vir.

Sociedade a dois níveis — quais são os perigos?

No mês passado, a província Manitoba anunciou que fornecerá cartões de imunização aos cidadãos que tenham sido totalmente vacinados. Isto lhes permitirá viajar dentro do país sem ter que se auto-imunir quando retornarem. Em maio, a Western University em Londres anunciou que exigiria que os estudantes que vivessem em residências também apresentassem provas de sua imunização.

Também em maio, a Ministra da Saúde Patti Haidu disse à CBC News que seu governo já está em conversações com seus aliados do G7 para implementar um passaporte de vacinação que permita aos canadenses imunizados retomar as viagens internacionais.

Mas os defensores da ética canadense, os defensores da privacidade e os grupos de liberdades civis advertem: tais exigências ameaçam criar uma nova sociedade a dois níveis. Certamente beneficiará aqueles que foram vacinados. Mas também expulsará aqueles que não o fizeram.

Em 25 de junho, de acordo com os últimos dados do governo federal, três quartos dos canadenses com 12 anos ou mais já receberam pelo menos uma dose da vacina COVID-19, e 22% dos canadenses estão totalmente vacinados.

Para entender a situação e explorar as potenciais armadilhas dos passaportes covid, a CBC News reuniu as opiniões de vários especialistas importantes.

Uma questão de justiça.

Para Arthur Schafer, diretor fundador do Centro de Ética Profissional e Aplicada da Universidade de Manitoba em Winnipeg, ter um passaporte de vacinação ou "certificado de imunidade" já é uma questão resolvida. Mas, diz ele, o governo federal "caiu forte" porque não deu orientações claras às províncias e aos oficiais de saúde sobre como administrar esses documentos.

"Se encorajamos as pessoas a se vacinarem e lhes prometemos que as vacinas são seguras e eficazes, então não faz sentido dizer que todos terão que obedecer às mesmas regras, tanto vacinados quanto não vacinados. Como está, estamos transformando tudo em uma confusão. Estaríamos muito melhor se pensássemos e desenvolvêssemos políticas que protegessem valores fundamentais: privacidade, confidencialidade, liberdade e saúde pública", disse Shafer.

O professor teme que a maioria das agências e organizações dite suas próprias regras.

Por que muitas pessoas recusam as vacinas?

O debate sobre o uso do passaporte de vacinação está esquentando à medida que mais e mais pessoas são vacinadas. Alguns dizem que a introdução de "passaportes covid" obrigatórios será um bom incentivo para deixar de ter medo de tiros e voltar à vida normal. Outros, por outro lado, vêem este documento como uma violação drástica da liberdade e da privacidade dos cidadãos.

Há várias razões principais pelas quais as pessoas se recusam a ser vacinadas. Alguns não têm certeza se devem vacinar porque, por exemplo, estão tomando imunossupressores. E outros têm preocupações legais para duvidar da segurança e eficácia de vacinas mal estudadas. Alguns já têm experiências negativas com a medicina canadense e não querem repeti-las.

Segundo Schaefer, uma saída para esta situação poderia ser encontrada: "Nós (isto é, o Estado) deveríamos tentar acomodar pessoas que têm objeções, conscientes, científicas ou mesmo religiosas. Então podemos introduzir o passaporte de vacinação na circulação sem comprometer a segurança pública e sem custos desproporcionais".

A questão da confidencialidade

Em maio, os comissários de privacidade federais, provinciais e territoriais do Canadá emitiram uma declaração conjunta alertando que embora os passaportes de vacinação "possam proporcionar benefícios significativos para a sociedade, a medida é uma violação das liberdades civis". E só deve ser retirado após cuidadosa consideração".

De acordo com a ex-comissária de privacidade de Ontário Ann Cavoukian, não se deve esperar que os canadenses abram mão de sua privacidade para a saúde pública.

Cavoukian está preocupado com o que pode acontecer com os dados pessoais de saúde das pessoas como parte da introdução de "passaportes covid obrigatórios". Ela está seriamente preocupada que todos os dados pessoais "sejam agora armazenados ligados à sua geolocalização ao redor do mundo". Se você estiver viajando ou indo a um jogo de futebol ou a qualquer outro lugar, qualquer informação a seu respeito será rastreada. E o potencial de vigilância é enorme.

Cartões de imunização há muito tempo são comuns em muitos países para acesso a certos serviços de saúde, mas agora eles serão necessários não apenas para viagens internacionais. Mas também, por exemplo, até mesmo para visitar restaurantes.

Como Schafer, Cavoukian teme que tal sistema possa alienar uma minoria de canadenses, muitos dos quais têm boas razões pessoais para recusar a vacinação. E essas razões eles não vão querer dar voz.

Concluindo sua entrevista, Cavoukian observou: "O resto de nós relaxaremos quando a maioria dos canadenses estiver totalmente imunizada. Quando isso acontecer, então não parecerá tão importante para nós sermos capazes de destacar particularmente aqueles que se recusaram a ser imunizados.

Pelo menos uma província canadense já concorda que todos têm o direito de escolher. E não deve ser sacrificada em benefício do público: na quarta-feira, Saskatchewan anunciou que não exigirá prova de vacinação dos residentes que queiram voltar ao trabalho ou participar de eventos públicos. Ao fazer isso, um funcionário disse que exigir tal prova violaria a Lei de Proteção de Informações de Saúde da província para seus cidadãos.

A questão da liberdade

Cara Zwiebel, diretora do Programa de Liberdades Básicas da Associação Canadense de Liberdades Civis, diz que deve se resumir à escolha individual: "A escolha de imunizar deve ser uma verdadeira escolha individual. Mas chega um ponto em que só damos acesso a certos direitos e participação plena na vida pública àquelas pessoas que estão imunizadas. E isto já está se tornando uma forma de coerção. Você tem que ser vacinado porque escolheu ser vacinado, não porque você foi forçado para ser vacinado.

De acordo com Zwiebel, "A idéia de que você tem que mostrar provas de vacinação em todos os lugares que você vai está mudando fundamentalmente a sociedade da qual somos membros".

"Acho que precisamos abandonar a idéia de criar um espaço livre de coronavírus", continuou Zwiebel. Precisamos tentar reduzir o máximo possível o risco de infecção e evitar situações de sobrecarga nos hospitais. Mas infelizmente, acho que a COVID é apenas mais um risco com o qual agora temos que conviver o tempo todo".

Assim como Cavoukian, Zwibel tem sérias preocupações sobre a proliferação de informações de saúde privadas. Entretanto, ela observa que embora possamos entregar voluntariamente nossos registros de vacinação a determinadas instituições, eles são legalmente restritos em seu uso futuro. Para resumir, Zvibel sugeriu que a sociedade deveria pensar cuidadosamente sobre onde esse caminho poderia levar antes de seguir o caminho do controle global da população.

Fonte
  • #vacinação contra o coronavírus no Canadá
  • #passaporte covid
  • #passaporte de vacinação no Canadá vacinação obrigatória no Canadá
  • #direitos humanos no Canadá
  • #sociedade civil no Canadá
  • #liberdades humanas no Canadá
  • #saúde pública no Canadá
  • #flexibilização das medidas de quarentena no Canadá
  • #alívio da quarentena no Canadá
  • #vírus COVID-19 no Canadá
  • #Governo do Canadá
  • #vacinas Corona no Canadá
  • #Pfizer e Moderna Vacinas no Canadá