Uma professora despertou os paleontólogos do mundo com sua descoberta

Uma professora despertou os paleontólogos do mundo com sua descoberta

Que maravilhas a Ilha do Príncipe Eduardo tem?

Lisa Cormier estava caminhando ao longo da praia no Cabo Egmont Prince Edward Island quando ela notou algo estranho e decidiu dar uma olhada mais de perto. Assim, o professor fez uma grande descoberta paleontológica — um fóssil de 300 milhões de anos de idade. Ela diz não ter percebido imediatamente o que era:

"Eu vi algo que eu pensava ser uma raiz. Mas quando olhei de perto, percebi que havia costelas. E então eu vi a coluna vertebral e o crânio.

O Cormier tirou uma foto de sua descoberta e a compartilhou com sua família. Sua sogra enviou a foto a especialistas, que imediatamente contataram Lisa.

Um deles, John Calder, geólogo e paleontólogo, diz que o fóssil parece datar do Carbonífero tardio e do Permiano precoce. Isso foi há cerca de 300 milhões de anos. Como especialista e autor de um livro sobre a herança geológica da Ilha do Príncipe Eduardo, ele diz que tais achados são extremamente raros.

O fóssil não foi identificado, mas especialistas dizem que é provavelmente um réptil ou pelo menos um parente muito próximo. Calder diz que muito poucos espécimes desse período foram encontrados e que pode até ser uma espécie previamente desconhecida:

"Este é o início da evolução dos répteis a partir dos anfíbios. Portanto, vai ser um verdadeiro quebra-cabeças. Provavelmente levará um ano inteiro para descobrir a natureza desta coisa".

Uma equipe de paleontólogos viajou para o local da escavação e após alguns dias de trabalho conseguiu transportar o fóssil de seu local de descoberta para uma instalação em Greenwich para posterior transferência para o laboratório paleontológico.

Laboratório

A descoberta é rara, mas compreensível: toda a Ilha do Príncipe Eduardo é formada de arenito vermelho, uma mistura de arenito de barro e argila, que foi depositada durante o período pérmico. Na época, o clima no local era muito diferente e o oceano estava a quinhentos quilômetros de distância.

A geóloga Laura McNeil nos diz que uma das primeiras coníferas da história das rochas ainda pode ser vista na ilha. Não se parece nada com uma árvore como a conhecemos: o material lenhoso foi completamente substituído por minerais, e por uma boa razão. McNeil explica: com o tempo, o clima foi ficando mais quente e seco, o que foi fatal para as plantas. Portanto, eles tiveram que se adaptar e evoluir e foi isso que levou à evolução das coníferas.

Assim, achados como o encontrado por Lisa Cormier são agradáveis, mas não esmagadores para a Sociedade Paleontológica do Canadá, que até recentemente se perguntava sobre os ossos encontrados aqui há mais de 150 anos.

Um elenco do primeiro fóssil encontrado na ilha é o livro didático usado na aula de biologia da Universidade Prince Edward Island — e são os restos parciais de um crânio de dimetrodon encontrado em 1845.

Os Dimetrodons são bem conhecidos enormes répteis antigos que tinham "velas" gigantescas espinhosas em suas costas. Eles foram os principais predadores que perseguiram e devoraram salamandras gigantes nas florestas pantanosas vaporosas do pântano primitivo Permian.

Ilha do Príncipe Eduardo

A história desta descoberta é tão surpreendente quanto a de Lisa Cormier: o fazendeiro Donald MacLeod estava cavando um poço perto de Nova Londres quando descobriu parte de um maxilar superior, incluindo alguns dentes afiados e curvados. Sem saber o que era, ele vendeu o fóssil para a Academia de Ciências Naturais da Filadélfia para que pudesse ser examinado por Joseph Leidy, um dos poucos paleontólogos que estudavam tais artefatos norte-americanos na época. Leidy pensou que o fóssil era a mandíbula inferior de um dinossauro e nomeou a espécie Bathygnathus borealis.

Desde então, foi estudado dezenas de vezes por paleontólogos, apenas para ser identificado como um dimetrodon em 2015, mais de 150 anos depois. Isto elevou os ouvidos de toda a comunidade paleontológica e mais uma vez nos lembrou que a Ilha do Príncipe Eduardo é um lugar muito especial.

Enquanto isso, Lisa Cormier, que fez um presente inestimável para todos os envolvidos, chama o que aconteceu de uma oportunidade única de deixar sua marca na história da ciência:

"Pensar que eu encontrei algo que poderia ter 300 milhões de anos é incrível".

Ela afirma que vai continuar sua busca porque esta incrível sorte a inspirou a ir mais longe.

Se você estiver agora na Ilha do Príncipe Eduardo, tenha cuidado em suas caminhadas e, se tiver a menor dúvida, ligue para o Arqueólogo Provincial pelo telefone 902-368-6895.

Para aqueles que gostariam de se estabelecer neste belo lugar, há provincial immigration programme and Atlantic programme. Se você não tem certeza de suas opções e gostaria de avaliar suas chances de forma confiável, recomendamos que entre em contato com nosso consultor de imigração licenciado. Vá para o link, marque uma consulta e mude sua vida.

Fonte, Fonte, Fonte, Fonte
  • #interessante no Canadá
  • #vida no Canadá
  • #história do Canadá
  • #descobertas no Canadá
  • #notícias no Canadá
  • #acidentes no Canadá
  • #caminhadas no Canadá
  • #Ilha do Príncipe Eduardo